John Henry Yates

John Henry Yates  (1837-1900) nasceu no dia 21 de novembro de 1837, na cidade de Batavia, Nova Iorque. Faleceu no dia 5 de setembro de 1900, na mesma cidade, onde, também, se encontra enterrado.  Trabalhou em várias profissões. Dentre elas: vendedor de sapatos, editor de jornal e gerente de loja de ferramentas. Tornou-se ministro metodista em 1886 e mais tarde, pastor da Igreja Batista.

Fonte: http://www.adperus.com.br/harpacrista/a_armadura_crista

Anúncios
Published in: on 10 de junho de 2010 at 10:30 pm  Deixe um comentário  

John Keble

  John Keble (25 de abril de 1792 — 29 de março de 1866) foi um religioso inglês, um dos líderes do Movimento Oxford. Foi ordenado em 1816 e professor em Oxford entre 1818 a 1823. Em 1827, publicou um livro de poemas chamado O Ano Cristão, contendo poemas para os domingos e dias de festa do ano litúrgico da igreja. O livro, de linguagem simples, vendeu muitas cópias, e foi eficaz em espalhar as convicções devocionais e teológicas de Keble.
  De 1836 até sua morte, trinta anos mais tarde, era pároco de uma pequena paróquia anglicana na vila de Hursley perto de Winchester. Em 14 julho 1833, pregou o sermão de Assize em Oxford, o qual passou a ser chamado de “Apostasia Nacional” e tornou-se o marco do Movimento de Oxford, que pretendia se tornar um movimento de reavivamento da Igreja Anglicana. Traduziu os trabalhos de Ireneu de Lyon (28 junho de 202), e produziu uma edição dos trabalhos de Richard Hooker, importante teólogo anglicano (3 novembro de 1600). Escreveu também mais livros de poemas, e numerosos hinos. Três anos após sua morte, seus amigos e admiradores estabeleceram a faculdade de Keble em Oxford. 

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/John_Keble

Published in: on 10 de junho de 2010 at 10:28 pm  Deixe um comentário  

Horatio Gates Spafford

  Horatio Gates Spafford (Nova Iorque, 20 de outubro de 1828 — Jerusalém, 16 de outubro de 1888) foi um advogado americano, ficando conhecido pela autoria do hino cristão It Is Well With My Soul [Sou feliz], após uma tragédia em que quatro de suas flhas morreram em um acidente de navio, além de fundar a Colônia Americana, atualmente um bairro de Jerusalém.
  Em 8 de outubro de 1871, o Grande incêndio de Chicago devastou a cidade. Horatio era um advogado de sucesso em Chicago, que havia investido fortemente no mercado imobiliário. O incêndio destruiu quase todas as suas posses adquiridas com seu trabalho. Dois anos depois, em 1873, Spafford decidiu que sua família iria passar as férias em algum lugar da Europa, e escolheu a Inglaterra, sabendo que seu amigo D. L. Moody estaria pregando na região durante aquele outono. A necessidade de cuidar de seus negócios o fez levar sua família a viajar primeiro: sua esposa (Anna Tubena Larsen) e suas quatro filhas Anna (Annie), Margaret (Maggie), Elizabeth (Bessie), and Tanetta.
  Em 21 de novembro de 1873, enquanto elas atravessavam o Atlântico no navio a vapor Ville du Havre, o navio foi atingido por uma embarcação de ferro levando o Ville du Havre a pique e tirando a vida de 226 pessoas, incluindo todas as suas filhas. Spafford recebeu a fatídica notícia quando sua esposa (que sobreviveu à tragédia), ao chegar a salvo à Inglaterra, enviou o famoso telegrama com a mensagem “Saved alone” (“salva sozinha”, indicando assim que havia sido a única sobrevivente da família). Spafford então viajou à Inglaterra, passando pelo local da morte de suas filhas. De acordo com Bertha Spafford (filha nascida após a tragédia), o famoso hino Sou feliz teve sua letra composta durante esta viagem.
  Após o naufrágio do Ville du Havre, Anna deu à luz mais duas flhas e um filho. Em 11 de fevereiro de 1880, seu único filho, também chamado Horatio, morreu com quatro anos de idade, por escarlatina. Em agosto de 1881, os Spafford rumaram a Jerusalem liderando um grupo de treze adutos e três crianças, para fundar uma sociedade utópica nomeada Colônia Americana. Membros da colônia, juntos com cristãos suecos que posteriormente se uniram a eles, iniciaram um trabalho filantrópico entre o povo de Jerusalém, independentemente de religião, sem proselitismo. Com isso ganharam a confiança de comunidades muçulmanas, judias e cristãs do local. Durante e logo após a Primeira Guerra Mundial, a Colônia Americana (localizada na área da frente oriental da guerra) teve um papel fundamental no apoio a estas comunidades, trabalhando em hospitais, orfanatos e preparando refeições, dentre outras obras de caridade. Spafford faleceu em 16 de outubro de 1888, por malária, tendo sido enterrado em Jerusalém.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Horatio_Spafford

Published in: on 9 de junho de 2010 at 10:18 pm  Deixe um comentário  

Edwin Smith Ufford

  Edwin Smith Ufford nascido no dia 10 de Fevereiro de 1851, veio a falecer no dia 8 de Dezembro de 1929, em Union, Maine, cidade natal da sua esposa, onde se encontra enterrado em Appletown. Ufford frequentou a Academia Stratford em Connecticut e o Seminário Teológico Bates em Maine. Foi licenciado para pregar em 1878 pela Primeira Igreja Batista de Portland, estado de Maine, e foi consagrado no ano seguinte pela Primeira Igreja Batista de East Auburn, Maine. Continuou servindo nas igrejas batistas de Alna, em Maine e Canton, Dedham, Hingham, Winchendon, e Willimanset, no estado de Massachusetts.

Fonte: http://harpacrista-fragmentos.blogspot.com/2008_08_23_archive.html

Published in: on 9 de junho de 2010 at 10:14 pm  Deixe um comentário  

James McGranahan

Nasceu no dia 4 de Julho de 1840 em West Fellowfield, próximo de Adamsville, Pennsylvania, sendo de descendência irlando-escocesa. Seu pai, George McGranahan, era fazendeiro, por isso, Kirkpatrick passou sua infância na fazenda. Quando já tinha idade suficiente, iniciou aulas de canto e logo se revelou como um dos mais talentosos e respeitados alunos, tendo mesmo organizado sua própria escola de canto, já aos 19 anos de idade. Tornou-se logo, um dos professores mais conhecidos da região. James McGranahan foi um músico americano de muito talento e culto que viveu de 1840 a 1907. Ele era dotado de uma preciosa voz tenor e estudou entre 1861 e 1862 com eminentes mestres, tais como T. E. Perkins, Carlo Bassini, os quais deram conselho para que se dedicasse à ópera. Certamente, este conselho deve ter despertado sua imaginação, produzindo uma deslumbrante expectativa de fama e fortuna. E ele tinha certeza o tempo todo, que só dependia dele.
  Em 1862 associou-se a J. G. Towner, e por dois anos fizeram concertos e turnês pelos estados de Pennsylvania e Nova Iorque, trazendo muita satisfação no trabalho que era desenvolvido. Continuou seus estudos, agora sob os cuidados de Bassini, Webb, O’Neil, e outros, esmerando-se na arte de ensinar, com o príncipe dos mestres, dr. Geo. F. Root, a arte da regência com Carl Zerrahn, harmonia com J. C. D. Parker, F. W. Root, e mais tarde, Geo. A. Macfarren, de Londres. Em 1875 aceitou o cargo de gerente do Instituto Musical Normal de Root, atuando na qualidade de Diretor e Professor por três anos, tendo o dr. Root como Chefe.
  Durante este tempo angariou destacada reputação no seu trabalho e pelo seu brilho, na música clássica e de coral e cânticos sabatinos publicados de vez em quando. A esta altura, seu preparo para uma carreira de sucesso já estava consolidado. Havia se tornado um músico culto e dotado de uma reputação que crescia a cada dia, com sua performance solo atraindo muita atenção. Sua belíssima e rara voz de tenor deixava seus ouvintes perplexos e maravilhados, tendo sido objeto de propostas até de seus mestres, para que se tornasse cantor de ópera, na qual sem dúvida, iria obter projeção e dinheiro.
  Colheita para o Mestre. Mesmo as festividades do Natal, de dezembro de 1876 não conseguiam afastar da sua mente o bilhete que seu amigo Philip havia escrito para a ele apenas alguns dias antes do feriado. Leu repetidas vezes e quase decidiu se render à urgência daquela mensagem, porém, não o fez de imediato. Seus sonhos e ambição pessoal ainda eram demasiadamente preciosos. Como podia desistir? McGranahan era cristão e tinha um amigo crente, que se chamava Philip Paul Bliss, o qual estava muito preocupado com ele. Este amigo também era um músico talentoso o qual teve muitas experiências parecidas quando foi cantor na sua juventude. Contudo, sentiu-se tocado pela chamada do Senhor na sua vida e rendeu-se a Ele, dedicando-se em tempo integral à Sua obra.
  Apesar de ser apenas dois anos mais velho do que McGranahan, Philip Bliss, com 38 anos, já tinha doze anos de dedicação ao trabalho cristão. Na época, servia como cantor solista do evangelista Major D. W. Whittle. Ah, E como ele se sentia tocado quando as multidões que se juntavam para as campanhas, eram impactadas pelo mover do Espírito Santo através da música! E como almejava que seu amigo James também tivesse essa mesma experiência! Philip Bliss e sua esposa estavam se preparando para uma viajem para a Pensylvania para passar o Natal em casa. Havia muito a ser feito, mas em meio a tanta agitação e preocupações, Bliss sentiu-se estranhamente compelido a fazer uma breve interrupção e escrever uma carta para o seu amigo, McGranahan. Pensava muito nele, que tinha 36 anos de idade, que ainda estava estudando música e se preparando. Preparando-se para o que? Para ser cantor de ópera ou para servir ao Senhor?
  Na medida em que escrevia, Bliss orou para que o Senhor entregasse a ele as palavras corretas. Ele sabia que Deus tinha um plano na vida de James e tinha um desejo muito grande no seu coração, que ele tomasse a decisão correta. Finalmente, a carta ficou pronta. Necessitando de coragem e aprovação para o que estava escrito, leu a carta para o Major Whittle. No texto, ele comparava a longa formação musical de McGranahan, à um homem afiando sua foice para a colheita. O ponto culminante do assunto, foi quando escreveu: “Pare de afiar a foice e venha colher para o Mestre!”
  A carta foi enviada e logo alcançou seu destino. As palavras tocaram James McGranahan como nunca tinha acontecido antes. Não conseguia pensar em nada mais. “Colher para o Mestre… colher para o Mestre… colher para o Mestre!” Dia e noite as palavras estavam diante dele. Uma semana mais tarde, dia 19 de Dezembro de 1876, o homem que havia escrito estas palavras estava morto. O trem em que viajava Philip Paul Bliss e sua esposa, com destino a Chicago, onde tinha um compromisso para cantar no Tabernáculo Moody, sofreu um acidente na ponte Ashtabula, Ohio. A composição caiu de uma altura de 20 metros e pegou fogo. Entre as 100 pessoas que pereceram no desastre, estava o cantor evangélico, de 38 anos de idade, Philip P. Bliss e sua esposa.
  Assim que ficou sabendo da tragédia, James McGranahan foi imediatamente para o local do acidente. Foi alí que encontrou, pela primeira vez, o Major Whittle. Mais tarde o evangelista iria se recordar daquele momento: “Aqui, na minha frente, está o homem que Bliss escolheu para ser seu sucessor.” Os dois homens fizeram a viajem de volta para Chicago, juntos. Na viajem, conversaram muito. Antes de chegar a Chicago, James McGranahan decidiu entregar sua vida, seus talentos e tudo o que tinha para servir ao Senhor. Ele decidiu “colher para o Mestre!”
  O mundo evangélico perdeu uma estrela naquele dia do acidente, mas o cristianismo ganhou uma de suas mais doces vozes evangélicas. James Granahan foi grandemente abençoado e usado nas campanhas evangelísticas nos Estados Unidos, Inglaterra e Irlanda. Faleceu no dia 9 de Julho de 1907 em Kinsman, Ohio, onde se encontra enterrado. 

http://harpacrista-fragmentos.blogspot.com/2008/03/james-mcgranahan.html

Published in: on 8 de junho de 2010 at 10:04 pm  Deixe um comentário  

Eden Reeder Latta

Eden Reeder Latta (123) (1839-1915) nasceu no dia 24 de Março de 1839 em Haw Patch, Indiana e faleceu no dia 21 de Dezembro de 1915 em Guttenberg, Iowa, onde se encontra enterrado no cemitério da cidade. Amigo de infância de William A. Ogden, Latta foi professor, por algum tempo, nas escolas públicas de Colesburg, Iowa. Escreveu mais de 1600 hinos durante sua vida.

Fonte: http://harpacrista-fragmentos.blogspot.com/2007/12/hc039-alvo-mais-que-neve.html

Published in: on 8 de junho de 2010 at 5:00 pm  Deixe um comentário  

Alfred H. Ackley

Alfred Henry Ackley [410] (1887-1960) nasceu no dia 21 de Janeiro de 1887 em Spring Hill, Pennsylvania. Faleceu no dia 3 de Julho de 1960 em Whittier, Califórnia, onde se encontra enterrado no cemitério Rose Hills. Alfred era irmão de Bentley D. Ackley. Recebeu instrução musical do seu pai, na cidade de Nova Iorque e na Academia Real de Música de Londres, tornando-se um grande músico, com seu instrumento, o violoncelo. Após sua formatura no Seminário Teológico Westminster, em Maryland, foi consagrado pastor presbiteriano em 1914, e pastoreou as igrejas de Wilkes-Barre e Elmhurst, na Pensilvânia, e Escondido, na Califórnia. Serviu por alguns anos juntamente com o evangelista Billy Sunday e também, como pastor adjunto da igreja presbiteriana de Shadyside, em Pittsburgh, Pensilvânia. Escreveu aproximadamente 1500 canções populares e religiosas e associou-se à produtora musical Rodeheaver. A Universidade John Brown em Siloam Springs, Arkansas, concedeu-lhe o título honorário de Doutor em Música Sacra.

Fonte: http://harpacrista-fragmentos.blogspot.com/2008/03/hc070-cristo-jesus-vai-voltar.html

Published in: on 8 de junho de 2010 at 4:58 pm  Deixe um comentário  

Edward Mote

  Edward Mote, nascido em Londres, Inglterra, em 1797, ele relata: “Os meus domingos , passei-os nas ruas. Tão ignorante eu era, que nem sabia que existia um Deus”. A escola que ele freqüentava, Mote afirma, não deixava uma Bíblia aparecer, quanto menos ser ensinada. Mas Deus tinha planos para a vida daquele garoto. Quando jovem, foi colocado como aprendiz de marceneiro, e mais tarde tornou-se artesão de muita habilidade.

Aos 16 anos, foi levado por seu mestre para ouvir o estimado pregador John Hyatt. Aos seus pés Edward converteu-se a Cristo! Mais tarde, ao se estabelecer em Southwark, um subúrbio de Londres, com seu próprio negócio, tornou-se marceneiro de muito sucesso e um crente muito dedicado. Como passatempo escrevia crônicas que muitas vezes foram publicadas em periódicos de Londres. Começou a escrever poesias e hinos, também. Foi em 1834 que ele escreveu este hino de fé e confiança em Cristo. Assim ele contou a história:

Uma manhã, enquanto saía para o meu trabalho, veio à minha mente que devia escrever um hino sobre a experiência do cristão da graça do Senhor. Enquanto ia para Holbern, compus as palavras do estribilho:

A minha fé e o meu amor
Estão firmados no Senhor,
estão firmados no Senhor.

Durante o dia completei quatro estrofes e as escrevi.

Mote continuou a contar que, no domingo, ao encontrar-se com um membro da igreja, esse lhe pediu que fosse visitar sua esposa que estava gravemente enferma. À tarde, Mote se apressou em fazer isso. O sr. King pediu que cantasse um hino, lessem as Escrituras e orassem. Procurou o seu hinário, mas não o achou. Edward Mote continua a contar:

“Eu disse: ‘Tenho uns versos aqui no meu bolso, se quiser, podemos cantá-los’. Assim fizemos. Sua esposa gostou tanto do hino que pediu que deixasse uma cópia com ela. Depois do culto da noite, fui para casa e escrevi mais duas estrofes. Levei-as depois para aquela irmã. Estes versos foram tão bem ao encontro das necessidades daquela irmã moribunda, que mandei imprimir 1000 cópias para distribuição. Enviei uma cópia a Spiritual Magazine (Revista Espiritual), sem assiná-la.”

Mote, que escreveu ao todo mais de 100 hinos, incluiu o hino no seu hinário Hymns of Praise ( Hinos de Louvor), publicado em 1836, com o título: A Base Imutável da Esperança do Pecador. Desta vez incluiu a sua assinatura.

Com a idade de 55 anos, Mote viu um sonho ser realizado.Há muito tempo queria que houvesse uma congregação batista no seu bairro. Em grande parte resultado dos seus próprios esforços, Isto se realizou. Foi ele que construiu o templo. Os outros membros da congregação queriam que Mote registrasse tudo no seu próprio nome. Ele recusou, dizendo: “ Não quero uma capela, quero um púlpito, e no dia que eu deixar de pregar a Cristo, podem me negar o púlpito.”

Por 26 anos Mote serviu fielmente como pastor da igreja, saindo somente por causa da enfermidade que o levaria à morte dentro de um ano. Pouco tempo antes do seu falecimento em 1874, Edward Mote disse: “ As verdades que tenho pregado, eu as estou vivendo. Servirão muito bem para morrer, também”. Como de costume naquela época, foi sepultado no terreno da igreja. Perto do púlpito, há uma placa com a inscrição:

“Em memória de Edward Mote, que dormiu em Jesus em 13 de novembro de 1874, aos 77 anos de idade. Por 26 anos o amado pastor desta igreja, pregando ‘Cristo, e este crucificado’.(I Co 2.21) como tudo de que o pecador precisa, e o santo deseja.”

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_253.htm

Published in: on 7 de junho de 2010 at 9:59 pm  Deixe um comentário  

Mary Ann Baker

  Mary Ann Baker nasceu em 16 de setembro de 1831. A tuberculose ceifou a vida dos seus pais e deixou-a órfã em tenra idade. Moravam em Chicago com a irmã e o irmão. Esse, um moço de excepcionais qualidades de caráter, começou a sofrer efeitos desta terrível doença. Das suas escassas economias, as duas irmãs conseguiram recursos para que ele viajasse à Flórida, ma esperança de que no clima mais ameno começasse a melhoria. Não lhes foi possível acompanha-lo. “Tudo em vão. Em poucas semanas o mal se agravou e o rapaz faleceu, longe do aconchego da família.” Não havia dinheiro para as irmãs irem ao seu enterro, nem para transportar o seu corpo para Chicago. Mary escreveu sobre esta experiência assoladora:
  “Embora nosso choro não fosse ‘como outros que não têm esperança’ e embora tivesse crido em Cristo desde menina e desejasse sempre viver uma vida consagrada e obediente, tornei-me terrivelmente rebelde a esse desígnio da divina providência. Disse no meu coração que Deus não amava a mim, nem aos meus. Mas a própria voz do meu Mestre veio aclamar a tempestade no meu coração rebelde e me trouxe a calma de uma fé mais profunda e uma confiança mais perfeita.”.   Depois disto, Mary Ann se empenhou de corpo e alma à União de Mulheres Cristãs Pela Temperança. Neste ministério teve oportunidade de observar, bem de perto, o sofrimento de irmãs, esposas e mães de alcoólatras cujas vidas naufragaram pelo degradante vício de beber. Depois de chorar com muitas destas mulheres ao lado da sepultura destes seus entes queridos, ela testificou: “Tenho chegado a sentir gratidão pelas doces memórias do meu irmão. O caminho de Deus é o melhor”.

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_379.htm

Published in: on 7 de junho de 2010 at 9:55 pm  Deixe um comentário  

Sabine Baring-Gould

  O reverendo Sabine Baring-Gould (Exeter, 28 de Janeiro de 1834 – Lewtrenchard, 2 de Janeiro de 1924) foi um hagiógrafo, antiquário, romancista e estudioso eclético britânico. A sua bibliografia inclui mais de 1240 publicações distintas, embora esta lista continue a crescer. A sua residência familiar, em Lewtrenchard, Devon, foi preservada e é, actualmente, um hotel. Ele é lembrado sobretudo como escritor de hinos, sendo o mais conhecido “Onward, Christian Soldiers” e “Now Is Over the Day“. Ele também traduziu o cântico “Mensagem de Gabriel” de basco para inglês. 

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sabine_Baring-Gould

Published in: on 5 de junho de 2010 at 9:46 pm  Deixe um comentário  
%d blogueiros gostam disto: