Júlia Ward Howe

  Julia Ward Howe, (1819-1910) [112] nascida em Nova Iorque numa família de distinção, se uniu com seu marido, o dr. Samuel Gridley Howe, em obras humanitárias. Foi pioneira no movimento para o voto feminino, abolicionista ardente, pacifista e muito ativa nas obras sociais. Tornou-se oradora destacada de muita influência. Em 1870, organizou uma cruzada com este alvo:que as mulheres do mundo se organizassem para acabar com a guerra de uma vez por todas. Pregava freqüentemente na sua denominação e em outras, Julia publicou, entre outros escritos, três volumes de poesia. Em 1910, doze dias antes da sua morte, foi lhe conferido um Doutorado em Direito (honoris causa) em homenagem às suas muitas realizações humanitárias.

http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_152.htm

Published in: on 22 de maio de 2010 at 8:23 pm  Deixe um comentário  

Ralph E. Hudson

  Ralph E. Hudson (1843-1901) [396 (estribilho)], nascido na cidade de Napoleon, Estado de Ohio, EUA, mudou-se durante a infância para Pensilvânia. Durante a Guerra Civil, Hudson serviu como enfermeiro no Estado de Maryland. Casou-se com Mary Smith em 1863 e , voltando a Ohio em 1864, começou o seu ensino de música na faculdade Mount Vernon na cidade de Alliance. Pregador licenciado pela igreja Metodista Episcopal, Hudson foi muito ativo na obra evangelística. Cantor e hinista, também estabeleceu sua própria publicadora. Publicou quatro coletâneas de gospel hymns, as quais depois uniu num só volume intitulado Quartette. Hudson freqüentemente compôs melodias do estilo gospel hymns para letras de hinos tradicionais bem conhecidos para uso no seu trabalho evangelísticos.

http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_540.htm

Published in: on 22 de maio de 2010 at 8:22 pm  Deixe um comentário  

História do hino 176 – Tempo de ser santo

  Ira David Sankey, conhecido hinista americano, diz em seu livro My Life and the Story of the Gospel Hymns (Minha Vida e a História dos Hinos Evangélicos):   “O sr. Longstaff, de Sunderland, Inglaterra, escreveu este cântico após ouvir um sermão em New Brigthon sobre “Sede vós santos que Eu também sou Santo”.  Tempo de ser Santo foi publicado pela primeira vez em “Gospel Hymns and Sacred Songs and Solos” em 1891. Tem sido muito usado em reuniões de consagração neste país (U.S.A) e na Inglaterra. 

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_282.htm, que cita Histórias de Hinos e Autores – CMA – Conservatório Musical Adventista

Published in: on 22 de maio de 2010 at 8:20 pm  Deixe um comentário  

História do hino 159 – Chuvas de bênçãos

  Era 10 de junho de 1890, Salomão Ginsburg olhava pela portinhola do navio atracado no porto do Rio de janeiro. A sua frente via as luzes da cidade e do novo país para onde Deus o mandara. Pela manhã estaria em terra firme. Quanta emoção experimentava com esta expectativa! Quantas recordações! Lembrava do seu primeiro lar na Polônia, do seu pai rabino que observou quando ele se tornou crente, da sua mãe que cuidou que ele tivesse uma educação privilegiada na Alemanha, e que fosse para a Inglaterra ficar com seu tio e aprender a arte de tipografia. Lembrou-se do seu primeiro encontro com judeus convertidos, sua própria conversão e as duras penas que sofreu alegremente para compartilhar sua nova fé.
  Agradeceu a Deus pelos anos de treinamento para o ministério, e por sua noiva, que o despertou para missões, e que esperava segui-lo mais tarde. Pensou nos seis meses que passou estudando português em Portugal, do panfleto polêmico que conseguiu publicar com a ajuda de Joseph Jones, e a sua distribuição que criou a necessidade de sair de Portugal para não ser preso. Agradeceu a Deus por tudo isso. Sentiu que a sua vida e o seu ministério apenas começavam, que Deus faria grandes coisas nesta nova terra.
  Folheando um hinário que trouxera da Inglaterra, viu o hino Showers of Blessings (Chuvas de Bênçãos), que o levou a pensar: “Até agora as bênçãos que recebi foram somente gotas em face às Chuvas de Bênçãos que hão de vir”.Tomou sua pena e se pôs a traduzir esta mensagem na sua nova língua, que estudara tão diligentemente nos últimos seis meses. Deu graças a Deus por sua aptidão e experiência em línguas neste longo caminho que trilhara. Finalmente, estava satisfeito. Seu primeiro hino traduzido para o português, estava completo! Mostraria para seu companheiro de viagem, o evangelista português, Henry Maxwell Wright, para revisão e correção.
  Salomão Luiz Ginsburg não podia saber que este hino seria o primeiro entre 105 letras e traduções que faria nos anos à sua frente; que ele seria o “Pai do Cantor Cristão”; que deixaria nos 37 anos que Deus lhe daria neste grande país, não somente a herança de um grande número de brasileiros salvos, de igrejas fundadas, de publicações, de escolas para treinamento de obreiros, de convenções, mas a herança inestimável de hinodia brasileira. Certamente as “gotas” que já recebera se transformariam em verdadeiras Chuvas de Bênçãos, na verdade, numa grande inundação de bênçãos que Deus proporcionaria através da sua vida totalmente dedicada a Ele. 

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_159.htm, que cita JUERP (Casa Publicadora Batista)

Published in: on 22 de maio de 2010 at 8:17 pm  Deixe um comentário  
%d blogueiros gostam disto: