Horatio Richmond Palmer

  O Pedagogo musical Horatio Richmond Palmer [461] nasceu em Sherburne, Estado de Nova Iorque, em 26 de abril de 1834. Pertencia a uma família de músicos, sendo seu pai e sua tia seus primeiros professores. Desde os nove anos cantou no coro do pai. Aos dezoito, começou a compor. Formou-se pela Academia de Música Rushford em Chicago e aos vinte anos tornou-se seu diretor. Serviu, ao mesmo tempo, como organista e regente coral da Igreja Batista de Rushford. Além de fazer o doutorado em Música pela Universidade de Chicago, estudou Música em Berlim e Florença.
  Estabelecendo-se em Chicago depois da Guerra Civil, o dr. Palmer tornou-se músico de renome. Editou jornais de música, escreveu livros, dirigiu festivais e convenções de música com grande sucesso. Organizou a União Coral Sacra, dando concertos com milhares de cantores. Num concerto no afamado Madison Square Guarden em Nova Iorque, regeu 4.000 coristas. De 1877 a 1891, foi o Deão da Escola de música de Verão do famoso centro de retiros Chautauqua (Nova Iorque). Publicou coletâneas muito parecidas como The Song Queen (A Rainha dos Cânticos), The Song King (O Rei dos Cânticos), The Song Herald (O Arauto dos Cânticos) e Concert Choruses (Músicas Corais de Concerto), além de livros didáticos sobre música. Palmer faleceu em 15 de novembro de 1907, em Yonkers, Estado de Nova Iorque. 

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_379.htm, que cita Rufin, Bernad, Fanny Crosby, Philadelphia, PA, United Church Press, 1976, p. 30

Published in: on 11 de maio de 2010 at 6:47 pm  Deixe um comentário  

Edward Perronet

  Edward Perronet [60 (3 primeiras estrofes)], nascido no condado de Kent, na Inglaterra, em 1726, descendia de refugiados huguenotes franceses. Seu pai, pastor anglicano, era amigo íntimo de João e Carlos Wesley. Educado na casa pastoral por professores particulares (há dúvidas quanto a seus estudos na Universidade de Oxford), Perronet decidiu entrar no evangelismo com estes dois irmãos, sofrendo com eles a mesma violência das mãos da população. Trabalhou com os Wesleys até o tempo da separação de muitos metodistas da Igreja Anglicana, separação a que João e Carlos fizeram forte oposição. Perronet uniu-se então aos dissidentes, e pastoreou uma pequena congregação em Canterbury até a sua morte em 1792. Foi autor de diversos livros de poesia e escrituras versificadas.
  Jonh Wesley admirava Perronet e queria ouví-lo pregar. Certo dia, quando Perronet estava no auditório, Wesley anunciou publicamente que o sr. Perronet iria pregar na manhã seguinte. Apesar de o sr. Perronet não haver sido consultado com antecedência, sentiu-se na obrigação de aceitar. Ao subir ao púlpito disse: “Fui compelido pelo respeito que tenho ao sr. Wesley a ocupar este lugar. Sou completamente inadequado para a tarefa, e por isto mesmo vou dar-lhes o melhor sermão que já foi proferido.” Então, leu o Sermão da Montanha sem comentários, e concluiu o culto. 

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_072.htm

Published in: on 11 de maio de 2010 at 6:45 pm  Deixe um comentário  

História do hino 92 – Substituição

  Ira David Sankey, conhecido hinista americano, diz em seu livro My Life and the Story of the Gospel Hymns (Minha Vida e a História dos Hinos Evangélicos):
  “Quinze anos após este cântico haver sido escrito, a srtª Havergal disse a respeito dele: ‘Sim, o hino Substituição, é meu, e talvez o senhor se interesse por ouvir como ele quase foi para o fogo, em vez de ir para quase todo o mundo. Esta foi, eu creio, a primeira coisa que eu escrevi que pode ser chamada de cântico; foi escrito em 1859 quando eu era mocinha. Eu mesma não compreendi o que estava escrevendo. Estava seguindo a Jesus com uma fé tremula, e constrangida, sempre atrás, nunca vendo Sua face ou tendo certeza de que Ele me amava. Escrevi estas palavras em poucos minutos nas costas de um circular, e então as reli e pensei: ‘Bem, isto não é poesia mesmo; não me darei ao trabalho de copiá-la!’ Estiquei minha mão para jogá-la no fogo, quando um impulso repentino me fez mudar de idéia e eu a coloquei, amassada e rasgada no meu bolso. Logo depois, fui ver uma querida velhinha num asilo. Ela começou a falar-me como sempre, a respeito do seu querido Salvador, e eu quis ver se ela, uma velhinha simples, se interessava por versos, os quais, eu tinha certeza, ninguém mais se interessaria de ler. Li-os, e ela ficou tão encantada com eles que eu os copiei e guardei. Agora o Mestre os tem mandado a todos os lugares, e tenho ouvido que eles têm sido uma grande bênção para muitos.”
  Algum tempo mais tarde a srtª Havergal mostrou os versos ao seu pai, que compôs uma melodia especialmente para eles; no entanto, a melodia que o sr. Bliss compôs para estes versos é a que se tornou popular na América.

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_172.htm, que cita Histórias de Hinos e Autores – CMA – Conservatório Musical Adventista

Published in: on 11 de maio de 2010 at 6:44 pm  Deixe um comentário  

História do hino 62 – Nome precioso

  O nome de Jesus era tudo para Lydia Baxter, a autora deste hino. Lydia dedicou-se muito ao estudo das Escrituras. Gostava de estudar o significado dos nomes bíblicos. Mas o nome de Jesus, que ela estudara profundamente, é que era sua força. Quando foi questionada acerca da sua disposição alegre, apesar das suas grandes dificuldades físicas, ela respondia: “Tenho uma armadura muito especial. Tenho o nome de Jesus. Quando o tentador procura me fazer triste ou desesperada, falo o nome de Jesus, e ele [satanás] não pode me atingir. O nome de Jesus quer dizer Salvador e vem da mesma raiz hebraica que os nomes de Josué e Joás”. Lydia expressou o seu amor pelo nome de Jesus neste texto em 1870. Musicado pelo capacitado compositor e publicador William H. Doane… Apareceu pela primeira vez no hinário Pure Gold (Ouro Puro), editado por Doane e Robert Lowry, em 1871. O nome da melodia, PRECIOUS NAME (Nome Precioso), refere-se às duas primeiras palavras do estribilho no original. 

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_103.htm, que cita Osbeck, Kenneth W., 101 More Hymn Stories, Grand Rapids. MI. Kregel Publications, 1985, p265.

Published in: on 11 de maio de 2010 at 6:43 pm  Deixe um comentário  
%d blogueiros gostam disto: