John H. Sammis

  John Henry Sammis (1846-1919) [301], nasceu em Nova Iorque, EUA. Ele era homem de negócios e um bom cristão, onde residia, em Longansport, Indiana. Mais tarde deixou os seus negócios e passou a servir como secretário duma organização cristã para a mocidade. Depois disso, formou-se pastor presbiteriano. De 1909 até a sua morte, em 1919, trabalhou na faculdade do Instituto Bíblico de Los Angeles

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_301.htm

Anúncios
Published in: on 7 de maio de 2010 at 6:23 pm  Deixe um comentário  

Ira David Sankey

  Ira David Sankey [68, 113] nasceu a 28 de agosto de 1840 em Edinburg, Pennsylvania. Enquanto jovem, Sankey serviu na Guerra Civil Americana. Com freqüência, ajudava a unidade de Capelania e dirigia seus companheiros soldados no cântico de hinos. Depois da guerra, foi trabalhar com o Internal Revenue Service, e também Associação Cristã de Moços (YMCA). Tornou-se conhecido como cantor evangelístico e, eventualmente, chamou a atenção do evangelista Dwight Lyman Moody. Os dois encontraram-se em uma convenção da YMCA em Indianapolis, Indiana, em junho de 1870. Alguns meses mais tarde, Sankey assistiu à sua primeira reunião evangelística com Moody, e demitiu-se de seu trabalho como funcionário público logo em seguida. Em outubro de 1871, Sankey e Moody estavam no meio de uma reunião de reavivamento, quando o iniciou-se o Grande Incêndio de Chicago. Os dois homens escaparam por pouco da tragédia que se seguiu. Sankey observou a cidade queimar de dentro de um barco a remos, ao largo do Lago Michigan. Sankey compôs mais de 1.200 cânticos durante a sua vida. Ele ficou cego, por causa de glaucoma, nos últimos cinco anos de sua vida e, sem dúvida, encontrou ânimo para seu espírito em sua amiga e parceira, a escritora de hinos cega Fanny Crosby. Sankey morreu em 13 de agosto de 1908.

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_357.htm

Published in: on 7 de maio de 2010 at 6:21 pm  Deixe um comentário  

História do hino 407 – Ditoso dia

  As estrofes, deste hino, foram escritas por Philip Doddridge, amigo não conformista de Isaac Watts e dos irmãos Wesley e de Whitefield. Baseou-se em II Crônicas 15:15, dando-lhe o titulo “Regozijando em Nossa Aliança com Deus“. Este, como todos os 370 hinos de Doddridge foram publicados postumamente por seu amigo, Job Orton, no hinário Hymns, em 1755. O estribilho de “Ditoso Dia” apareceu, com estrofes de um outro hino, em The Wesleyan Sacred Harp (A Harpa Sacra Wesleyana), a coletânea de William Mcdonald, de 1854, McCutchan, como outros, apresenta que a música do estribilho é adaptada de um hino de Edward Rimbault com o título Happy Land (Terra Feliz). A melodia recebeu seu nome das primeiras duas palavras do estribilho, HAPPY DAY (Dia Feliz), o tema do hino. “É bem provável que o resto da melodia fosse a obra de algum outro músico ou músicos”.

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_234.htm, que cita Reynolds, William J. Companion to Baptist Hymnal, Nashivile, Broadmam Press, 1976, p. 161.

Published in: on 7 de maio de 2010 at 6:20 pm  Deixe um comentário  

História do hino 101 – Ressurgiu

  Este hino glorioso da vitória da ressurreição é cantado por todo o Brasil evangélico na Páscoa. Na primeira estrofe, vemos que Cristo ressurgiu, a redenção já consumada. Na segunda, somos exortados a entoar gratos hinos a ele, que venceu a morte e reina eternamente. A terceira estrofe enfatiza: uma vez na Cruz sofreu; uma vez por nós morreu. Este sacrifício não pode ser repetido. Cristo, que se ofereceu “uma só vez para levar os pecados de muitos” (Hebreus 9:28), completou a obra. Agora vivo está e para sempre reinara! Aleluia! As aleluias repetidas neste exultante hino vêm desde os primórdios da fé cristã quando, no dia da Ressurreição, os crentes saudavam uns aos outros com: “Cristo está ressurreto, Aleluia!”
  A melodia EASTER HYMN (Hino da Páscoa) apareceu anonimamente na coletânea Lyra Dadivica em Londres em 1708, com o texto Surrexit Christus Hodie (Hoje Cristo Ressuscitou). Seu texto latino é um cântico do dia da Ressurreição, de um manuscrito da cidade de Munique, na Alemanha, do século XIV. Variações deste hino em inglês apareceram em várias coletâneas na Inglaterra. Julian, no seu Dicionário de Hinologia, apresenta o hino original e na forma como foi impressa na segunda edição de Complete Psalmist (Salmista Completo), de John Arnold, de 1749, onde a segunda e terceira versão modificada de 1749 foi traduzida por Henry Maxwell Wrigth.
  É interessante notar que Cahrles Wesley escreveu um hino muito semelhante, Christ the Lord is Risen Today (Cristo, o Senhor, Está Ressurreto Hoje), com onze estrofes de quatro linhas , e o publicou em Hymns and Sacred Poems (Hinos e Poemas Sacros) em 1739. Seria muito fácil confundir os dois hinos, Wesley, dando a mesma mensagem, usou a mesma métrica e as aleluias no fim de cada frase. Seu hino é comumente cantado com a melodia da LYRA DADIVICA.

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_069.htm, que cita Julin, John, A Dictionary of Hymnology, Vol. I, Second Revised Edition with new Supplement, New York, Dover Publications, Inc. 1957, p. 597.

Published in: on 7 de maio de 2010 at 6:16 pm  Deixe um comentário  

História do hino 437 – As boas novas

  Mary Ann Thomson [autora do hino] escreveu as seguintes palavras sobre o surgimento deste poderoso hino missionário… Escrevi a maior parte do hino As boas novas em uma noite enquanto eu velava um dos meus filhos que estava doente com tifo, pensei que gostaria de screver um hino missionário para a melodia do hino Hark, Hark My Soul (Alerta, alerta, minha alma). Não consegui escrever o estribilho à minha satisfação, e deixei-o inacabado. Mais ou menos três anos mais tarde, terminei-o, escrevendo o estribilho.

Fonte: Cristão, Hinário para o Culto – Música. História. 2 Música sacra- Batista. P. 405, Rio de Janeiro JUERP, 2001.  

Published in: on 7 de maio de 2010 at 6:15 pm  Deixe um comentário  
%d blogueiros gostam disto: