William W. Walford

  Nascido em: 1772, Bath, Som­er­set­shire, Inglaterra. Faleceu em: 22 de Junho de 1850, em Ux­bridge, Mid­dle­sex, Inglaterra. Walford [148] frequentou a Ho­mer­ton Acad­e­my, onde foi ordenado ministro congregacional. Ele pas­toreou em Stow­mar­ket, Suf­folk (1798-1800); Great Yar­mouth, Nor­folk (1800-1813); Ux­bridge, Mid­dle­sex (1824-1831 e 1833-1848); e foi professor na Ho­mer­ton Acad­e­my (1841-1831). Conta-se que o Sr. Walford era um homem que não possuia grande educação cultural mas que era muito inteligente, e possuia uma memória extraordinária. Diz-se, até, que quando pregava sempre escolhia bem os textos bíblicos e citava-os de cor com muita precisão. Raramente errava na repetição dos Salmos ou nas citações de qualquer parte das Escrituras, quer do Velho quer do Novo Testamento. Conhecia tão bem os factos bíblicos que ganhou a fama de saber a Bíblia inteira de cor.

 Fontes: http://www.discernimentobiblico.net/hora_bendita.html e http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_419.htm

Anúncios
Published in: on 29 de abril de 2010 at 8:37 pm  Deixe um comentário  

Anna Bartlett Warner

  Anna Barllet Warner (1820-1915) [542] nasceu em Long Island, Estado de Nova Iorque. Morou com o seu pai, o advogado Henry W. Warner, e sua irmã Susan, uma famosa autora, na ilha Constitution perto da Academia Militar West Point. Embora Anna nunca alcançasse a fama literária da sua irmã, escreveu diversos romances sob psedônimo de Amy Lothrop. Publicou também dois volumes de poesia. Anna e Susan mantiveram classes de Escola Dominical na Academia por muitos anos. O seu lar, chamado Good Crag (Bom Rochedo), foi doado à Academia e transformado em patrimônio nacional.

 Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/historias_hinos/ha_457.htm

Published in: on 29 de abril de 2010 at 8:16 pm  Deixe um comentário  

História do hino 79 – Um bom Amigo

  Jack p. Schofield, compositor e autor das estrofes 1 a 3 deste hino, contou a sua história. Foi escrito em 1911, durante uma conferência evangelística onde Schofield ajudava o dr. Mordecai F. Ham como musicista. “a melodia simplesmente veio a mim, quase como se fosse um presente. Procurei então escrever uma melodia apropriada à musica.

 Cristão, Hinário para o Culto – Música. História. 2 Música sacra- Batista. P. 129, Rio de Janeiro JUERP, 2001.

Published in: on 29 de abril de 2010 at 8:13 pm  Deixe um comentário  

História do hino 578 – Sonda-me ó Deus

  James Edwin Orr, mundialmente conhecido evangelista e estudioso da Bíblia, testificou que escreveu este hino num tempo de “inspiração durante um movimento intenso do Espírito” em Ngaruawahia, na Nova Zelândia, em 1936. Baseando-se no salmo 139:1,2, o autor, como o salmista, pede que Deus sonde o seu coração, e o limpe de todo mal. Continua, em estrofe 2, a pedir que Deus o purifique, e, com seu amor consuma o mal que há no coração, conforme a sua promessa (I Jo 2:9). A estrofe 3 é uma entrega completa, reconhecendo o poder de Deus de dominar até as paixões. Na estrofe 4, reconhecendo que é doa altos céus que o avivamento vem, pede que comece nele, e vá além. Esta oração é muito pessoal. Cada crente deve fazê-la no seu próprio coração, sinceramente e em completa entrega ao nosso Pai que nos ama.
  A senhora Carol Orr, esposa do autor, contou a história deste poderoso hino nim artigo da revista Decision (Decisão): Em 1936 houve um extraordinário reavivamento na Nova Zelândia, por ocasião da Convenção de Páscoa [promovida pelo Instituto Bíblico da Nova Zelândia], realizada na pequena cidade maori chamada Ngaruawahia. (…)  Entre os pregadores neozelandeses encontrava-se o jovem irlandês J. Edwin Orr… Este avivamento se espalhou por muitas partes do país, trazendo frutos que se repercutiriam ao redor do mundo. Andes de deixar a Nova Zelândia, o pregador foi recebido pela princesa Te Puea Herangi, “que em sua homenagem fez ouvir a Canção Maori de Despedida entoada por quatro jovens nativos”. Mais tarde, na agência do correio, o dr. Orr, inspirado pela maravilhosa atuação do Espírito Santo entre os jovens neo-zelandeses, escreveu, no verso de um envelope uma nova letra para aquela melodia. As palavras vieram em 5 minutos!  

Fonte: Cristão, Hinário para o Culto – Música. História. 2 Música sacra- Batista. pp. 222, 223, Rio de Janeiro JUERP, 2001.

Published in: on 29 de abril de 2010 at 12:54 pm  Deixe um comentário  
%d blogueiros gostam disto: